Cadastre-se

Banco de Redações

Tema atual - julho de 2015

Tema: Violência contra a mulher: por quê o machismo persiste?

Nos últimos meses notícias sobre estupros coletivos envolvendo tanto vítimas quanto agressores menores de idade têm chocado o país. Na cidade de Castelo, no Piauí, 4 adolescentes com idades entre 15 e 17 anos foram estupradas, espancadas e jogadas de um penhasco por 1 homem e outros 4 menores de idade. Uma das vítimas morreu. Em Capistrano, no Ceará, 3 adolescentes e dois homens estupraram 2 garotas - uma conseguiu fugir, outra acabou assassinada. No Estado do Rio de Janeiro, o número de estupros registrados caiu no primeiro trimestre de 2015 em relação ao mesmo período de 2014, mas ainda assim soma assustadores 420 ocorrências. Uma pesquisa realizada pelo Ipea em 2014 e a capa da Revista Superinteressante deste mês ainda apontam: é bastante comum culpar a vítima, como se ela, por suas roupas ou comportamento, estivesse "pedindo" para sofrer a agressão, seja física ou verbal. Outras questões que ainda afligem as mulheres são menores salários em relação aos homens, a pouca representatividade política (apesar de ter uma mulher na presidência, o número de parlamentares do sexo feminino é irrisório) e o medo constante de serem abusadas ou assediadas. Neste mês de julho, o Banco de Redações propõe o tema: "Violência contra a mulher: por quê o machismo persiste?".

Para realizar a proposta, você deverá construir uma DISSERTAÇÃO, demonstrar domínio da norma culta da língua, mobilizar diversas áreas do conhecimento, ou seja, seu conhecimento de mundo, para desenvolver o tema, respeitando a estrutura do texto dissertativo-argumentativo. Além disso, você deve levar em consideração os textos apresentados na coletânea e, de preferência, aprofundar a pesquisa sobre o assunto através de outros meios, levantar os principais argumentos e realizar uma crítica análise dos mesmos, deixando claro seu posicionamento diante do tema na conclusão do texto.

Veja como fazer uma boa dissertação e conheça também as características deste gênero textual​.

Seu texto deverá apresentar entre 15 e 25 linhas (fonte times 12 em documento normal do Word).

O sistema de envio de redações mudou. Veja como funciona o novo Banco de Redações.

Cronograma para envio de redações:

1º período para envio: 04 a 08 de julho
2º período: 11 a 15 de julho
3º período: 18 a 22 de julho

Correções: a partir de 3 de agosto

ATENÇÃO: para enviar a redação é preciso antes fazer o login na Área do Usuário. Saiba mais!

Enviou seu texto em junho de 2015? Acesse a correção neste link!
Não sabe como começar seu texto? Então confira algumas dicas aqui, aqui e aqui.

Elabore sua redação considerando as ideias a seguir:

"Estima-se que a cada ano, no mínimo 527 mil pessoas são estupradas no Brasil, segundo estudo divulgado pelo IPEA. Desses casos, apenas 10% chegam ao conhecimento da polícia. Segundo dados do Sinan, 89% das vítimas são do sexo feminino, possuem em geral baixa escolaridade, sendo que as crianças e adolescentes representam mais de 70% das vítimas." - [leia na íntegra - Portal CBN Foz]

"(...) a assertiva que traz o termo “estupro” explicitamente e que apresenta a ideia de culpabilização da mulher de maneira mais evidente “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros” encontrou um alto grau de concordância,58,5%." [leia na íntegra - Pesquisa Ipea]

"Pesquisa da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça revela que 80% das mulheres agredidas não querem que o autor da violência seja punido com prisão. A pesquisa “Violência contra a Mulher e as Práticas Institucionais” apurou também as condições de Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher, criados pela Lei Maria da Penha, e  Defensorias Púbicas em 11 cidades de seis Estados brasileiros." [leia na íntegra - Portal Último Segundo]

“Uma em cada cinco mulheres será estuprada. No entanto, até as mais respeitadas instituições - escolas, igrejas, universidades, famílias - varrem a violência sexual para baixo do tapete. Por quê? E até quando?”, questiona a chamada da revista." - [leia na íntegra - Portal Catraca Livre]

 



Brasil Escola nas Redes Sociais