Cadastre-se

Aconteceu: Manifestações no Brasil e no mundo

12/04/2008 11h05 - Atualizado em 15/04/2008 07h59 - Por Camila Mitye

A democracia, a liberdade de expressão e o livre arbítrio são fomentos para que as pessoas saiam por aí manifestando pelos seus ideais ou por aquilo que consideram como justiça. Assim essa semana foi marcada: manifestações de estudantes da Universidade de Brasília (UnB), pedindo mudanças no modelo político da instituição. Já em várias cidades do mundo, manifestantes pedem a libertação do Tibete acompanhando a tocha olímpica que convida a todos a assistirem os Jogos Olímpicos na China este ano.

Confira:

Brasil
→Estudantes ocupam reitoria da UnB

Desde o dia 3 de abril, cerca de 150 estudantes da Universidade de Brasília (UnB) ocuparam o gabinete do reitor da instituição, Timohty Mulholland, e, em seguida, todo o prédio da reitoria.

Eles reivindicam o afastamento do reitor e do vice-reitor (reitor em exercício) Edgar Mamiya, além da criação de eleições paritárias (onde o voto de estudantes e professores têm o mesmo peso) para a escolha do novo reitor, a abertura das contas da UnB, o fim dos convênios da universidade com as fundações, o leilão dos objetos comprados para a decoração do apartamento do reitor e o investimento do dinheiro arrecadado com este leilão na melhoria das instalações da Casa do Estudante.

Estudantes de vários cursos da UnB e de outras universidades públicas do Brasil uniram-se ao protesto que hoje (dia 12) completa 9 dias. Os manifestantes passam dias e noites no prédio da Reitoria, não impedem funcionários de continuar trabalhando e têm ganhado o apoio da comunidade, que leva comida para os estudantes.

Durante esta semana aconteceram conflitos com a polícia (a segurança da UnB), cortes e religamentos de água e luz e, principalmente, o licenciamento de Timothy Mulholland do cargo de reitor, que está sendo acusado pelo Ministério Público por improbidade administrativa.

O ConsUni – Conselho Universitário – será reunido na próxima quarta, dia 16, para decidir o futuro de Mulholland e Mamiya. O conselho, formado por 79 pessoas (entre estudantes, professores, servidores e integrantes da administração da UnB) não pode destituir nenhum membro da administração da universidade, segundo o estatuto da UnB. Porém, por meio de um processo interino, o ConsUni pode absolver, advertir, suspender das funções por até 90 dias (sem vencimentos) ou demitir reitor e vice-reitor. Se esta investigação indicar a demissão do reitor, a Presidência da República indicará alguém para o cargo até que um novo reitor seja eleito.

Veja mais:
Estudantes da UnB pedem afastamento do reitor.
Reitor desocupa imóvel.
Pra onde vai tanto dinheiro?

Em tempo: Timothy Mulholland deixa o cargo de reitor da Universidade de Brasília (notícia de 14/04).

Mundo
→Protestos pela libertação do Tibete seguem a tocha olímpica pelo mundo.
Ativistas pró-Tibete perseguem a tocha que carrega o fogo olímpico por todas as cidades em que passou até agora.

O revezamento da tocha nas cidades de Paris, Londres e São Francisco foi palco de caóticos protestos contra a relação da China com os direitos humanos e a recente repressão do governo chinês aos protestos liderados por monges do Tibete. Na capital inglesa, manifestantes tentaram apagar a chama e, na França, o percurso foi modificado e a cerimônia cancelada.

A bandeira preta com algemas no lugar dos anéis olímpicos segue a tocha deixando atletas defensores do espírito olímpico de humanidade constrangidos. Aos poucos os atletas chineses começam a se pronunciar sobre o assunto (eles não podem conceder entrevistas), mas evitam falar dos confrontos políticos de seu país. A grande polêmica gira em torno do domínio chinês no Tibete, extremamente explorado por aqueles que pedem a libertação do país situado na região do Himalaia, aproveitando a mídia mundial de olho na China neste ano.

Os Jogos Olímpicos de Pequim têm o início marcado para o dia 08 de agosto de 2008.

Veja mais:
A China que a China não mostra.

E aí?

O direito de manifestar é algo que o homem abraçou e utiliza sempre que quer ser ouvido por autoridades, cidadãos ou pela imprensa. O que você acha dessas manifestações? Os estudantes da UnB e os ativistas pró-Tibete estão apenas fazendo "algazarra" ou possuem causas nobres pelas quais lutar? Os estudantes têm razão ao pedir o afastamento do reitor? E os protestos contra a China, irão atrapalhar os Jogos Olímpicos?

Reflita sobre o assunto e dê sua opinião!







Receber respostas por email


  • terça-feira | 18/06/2013 | marcos munhoz

    O protesto e legal,o que nao e legal e que alguns bandidos se aproveitam da situacao,para cometerem seus crimes.

Brasil Escola nas Redes Sociais