Cadastre-se

O que vou ser quando crescer?

Por Gabriele Pires Alves
 


Sonhos de criança podem não ser viáveis. A decisão pela profissão só vem com o amadurecimento

Quando criança, sabemos ao certo o que queremos ser quando crescer: bailarina, jogador de futebol ou pop star. Embora essas opções pareçam ser definitivas, o amadurecimento nos faz perceber que as fantasias da infância não nos levariam a lugar algum.

Possivelmente, o desejo de ser bailarina não era calcado na rotina de dedicação integral e cansativa dos ensaios e atividades físicas pelo qual elas têm de passar, mas sim no glamour das roupas e maquiagem e na possibilidade de ganhar a vida dançando. Ser jogador de futebol parecia ser divertido aos olhos dos garotos, quer coisa melhor que ficar rico e famoso para “brincar” de jogar bola? E ser um astro pop então? Aparecer na televisão, viver rodeado por uma multidão de fãs, fazer shows pelo mundo iluminado por grandes holofotes é a fantasia de quase toda criança, mas com o amadurecimento esses devaneios dão lugar a uma perspectiva real: agora é preciso decidir, de fato, a carreira a seguir.

Autoconhecimento

Nem todos têm facilidade para uma escolha imediata. Para decidir a melhor profissão a ser seguida é preciso, antes de tudo, se conhecer melhor. O autoconhecimento nos possibilita balizar nossas vontades, podemos ter várias carreiras em mente, mas o caminho certo, aquele que trará felicidade e sucesso profissional, só vem quando nos conhecemos. É preciso fazer previsões. Será que daqui a três ou trinta anos estarei feliz lidando com os assuntos próprios da profissão que tanto me empolgam hoje?

A carreira, é claro, tem de proporcionar diversão. Um profissional que trabalha de bem com a vida rende mais e se sente realizado. Em contrapartida, aqueles que embarcam em uma carreira somente pela possibilidade de ascensão social podem acabar frustrados e sem dinheiro por não se destacar no mercado de trabalho. O ganha-pão tem de unir habilidade e sustentabilidade. De nada adianta sonhar com algo que não é possível ser transformado em atividade profissional.

O amadurecimento é o principal aliado na hora de definir a carreira. É claro que os outros, principalmente a família, vão dar um palpite aqui, outro ali. Porém, o que faz a diferença é a sua capacidade de captar as sugestões construtivas e descartar as especulações. Você pode ouvir: “o mercado para essa profissão está saturado”, “não se ganha bem”, “é difícil conseguir emprego”. Não dê ouvidos! Se você fez uma opção madura e calculada, vá em frente. Ninguém é dono da verdade. A opinião de outra pessoa sobre a profissão que você deseja seguir pode ser, sim, diferente da sua. Afinal, o grande número de carreiras existe para agradar a gregos e troianos.

Decisão

Se o problema é a decisão, faça o seguinte exercício: identifique as disciplinas que você mais gosta na escola, perceba se gosta de trabalhar em grupo ou sozinho, em espaços calmos ou badalados. Pensar no futuro local e condições e trabalho ajuda a afunilar o leque de possibilidades que você cogita.

Lembre-se, preferências mudam com o tempo. Pode ser que você sempre tenha desejado uma profissão, mas em algum momento tenha chegado a pensar em outra. Talvez a afinidade com a carreira dos sonhos fale mais alto, mas, se isso não acontecer, tenha coragem de arriscar, considere o momento do setor escolhido e faça estágio se for possível; a experiência traz conhecimento do mercado e vivência profissional.

A convivência com um profissional da área almejada também é uma boa chance para se decidir. O dia-a-dia da carreira, os aspectos positivos e negativos só podem ser falados com propriedade por quem já trabalha no setor. Outra indecisão pode vir da semelhança de cursos da mesma área, como Jornalismo, Publicidade e Relações Públicas. A saída pode estar na leitura dos currículos dos cursos, na visita às universidades que oferecem as graduações e, principalmente, em uma boa conversa com profissionais graduados.







Receber respostas por email


  • sexta-feira | 21/03/2014 | Gabriella Lorrane

    nossa tenho 13 anos, vou fazer 14 e ano q vem penso em fazer um pelo senai. só que antes eu tinha certeza q queria ser design de moda, ja ate tinha visto a respeito do curso, ate a faculdade q eu queria ir, mas, agora ñ sei se é isso msm q eu quero

  • segunda-feira | 17/02/2014 | ingrid rebeca

    eu penso em ser genicologista obstetra,cantora gospel ou atriz eu nasci com o talento de cantar e atuar mas é um gosto q eu tenho de exercer a medicina estou em duvida

  • quinta-feira | 13/02/2014 | Nicaeli Luiza

    Eu tenho 11 anos, e meu sonho é ser cantora , a música para mim é muito importante sem ela eu não viveria ! A música entra em mim e não sai mais é algo inexplícavel quando eu começo a cantar e a tocar o violão que tenho eu me sinto feliz e esqueco meus problemas !

  • sábado | 22/02/2014 | maria geovana
    0 0

    nossa vc falou tudo o que eu queria dizer mais o meu sonho nao e ser cantora pode ser qualquer coisa mais que seja famosa por que cantora nao e pra mim tenho a voz superipermega desafinada

Brasil Escola nas Redes Sociais